MAURA LUZA FRAZÃO

Maura Luza Martins Frazão de Oliveira, nasceu na Cidade de Monção/MA, atualmente reside em São Luís/MA. Casada, mãe de dois filhos. Pedagoga/Psicopedagoga. Confreira da Academia Literária Internacional de Poetas e Escritores - ALIPE (cadeira 89); Membro da Associação Maranhense de Escritores Independentes - AMEI; Membro da Associação Brasileira de Poetas Spinaístas - ABPS. Autora do livro de poemas Spinas "Nuances de Uma Essência" pela Editora Versejar - 2020/2021. Participação nas Antologias: Registro Femininos e QUARENTENA - Chiado Books; Escritores Contemporâneos Volume 12- Poesias e Contos - Editora Ações Literárias. Coletâneas: Baú de Palavras - Saramago; Poesias para a Nova Década - Casa Literária; Então é Natal - Editora Versejar; Relicário - Editora Dellicatta; Reverdecer - Editora Dellicatta. E mais 20 Antologias e Coletâneas em andamento. 

Ainda ontem eu era apenas
Uma menina
pisando
Em nuvens de algodão
Em meus olhos
Brilhante chama ardente
Olhos que vislumbravam o mundo
Em busca de conhecimento.Ainda ontem eu era apenas
Uma mulher em formação
Cheia de sonhos e desejos
Projetos a realizar
Só o que importava era seguir...

Me aventurei em mar revolto
Sozinha, em um pequeno barco
Perdida em turvos pensamentos
Ao longe...
Um pitoresco farol me atraia
Não me deixando opção
Era meu destino que diante de mim
Se descortinava.Tateei à procura dos remos
Nada encontrando
Meu coração batucando
Descompassado
Senti que o ar estava me faltando...

Tudo era encantador
Naquele cenário bucólico
De sonhos
Uma viagem imaginária
Aos contos e fábulas de Perrault
Aquela casinha no final do caminho
Ladeado por ondas nevadas.Meus pés gelados
Não mais me obedeciam
Mais continuei procurando abrigo
Era uma tarde gelada de inverno
Sozinha estava eu
Sem saber como cheguei ali...

Sabor de chuva

26/05/2021

Perdida em pensamentos
Observando a chuva
Que caia naquele silencioso
Final de tarde
Enquanto te esperava
Fiquei admirando os pingos
Pulando nas folhas das árvores.Lembrei-me da saudosa mãezinha
Ela dizia: "Minhas plantas
estão sorrindo" sempre que chovia
Ela falava e ficava olhando para
Seu belo jardim
Ainda consigo ouvir sua voz suave...

Sempre fui apaixonada por livros
Herdei da minha saudosa mãezinha
Esse legado de amor
Às literaturas
Na infância, os livros eram nossos
Principais presentes
Seja de aniversário
Boas notas
Até mesmo por bom comportamento.Melhor ainda, eram os retornos
Das viagens da nossa mãe
As bagagens, eram a coqueluche do

O mundo se abria em novas possiblidades sempre que Desidéria sorria. Um sorriso meio maroto, aconchegante e ao mesmo tempo fascinante por envolver as pessoas numa carinhosa aura de esperança.