Josivaldo Constantino dos Santos

29/11/2019

Josivaldo Constantino dos Santos é graduado em Filosofia pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) em Campo Grande/MS. Especialista em Filosofia Contemporânea pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC/MG), Mestre e Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É professor de Filosofia e Filosofia da Educação, da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), Campus Universitário de Sinop/MT nos Cursos de Licenciatura em Pedagogia, Licenciatura em Letras e Bacharelado em Administração. Pesquisador integrante do Núcleo de Estudos Educação e Gestão do Cuidado (UFRGS). Entre outras atividades ligadas à Pesquisa e à Extensão, é poeta de cordel e realiza oficinas de Literatura de Cordel nas escolas com o tema: A Literatura de Cordel como Procedimento Metodológico em Sala de Aula. É pesquisador da Literatura de Cordel, autor de livros e artigos sobre esse gênero literário e dentre suas produções poéticas, destacam-se as obras: "Paulo Freire: Vida e Obras em Literatura de Cordel" (2018) pela Ações Literárias Editora; "UNEMAT 40 Anos e outras histórias acadêmicas em Literatura de Cordel" (2020) pela UNEMAT Editora (e-book e 1ª edição impressa), e, 2ª edição pela Ações Literárias Editora.        


MEU CORAÇÃO É TÃO GRANDE!

Meu coração é tão grande!
Que não cabe um só amor
Ele ama em demasia
Mesmo assim vive na dor
Pois onde cabe amores
Só pode entrar um amor.
Meu coração é tão grande!
Mas se mostra sofredor
Pois querem apequená-lo
Aprisioná-lo na dor
Na dor de um amor único
Na sina de um só amor.
Aprendi que o "vero" amor
Se vive no singular
Meu coração é tão grande!
Não pode se apequenar
Quem inventou único amor
Não sabe o que é amar.
Ter um coração pequeno
Isso, não é natural
Meu coração é tão grande!
De grandeza universal
Amor não é singular
Amor é sempre plural.

Conheço os valores clássicos
Meu coração é tão grande!
E afirmo com ardor
Quem nunca teve amores
Não sabe o que é amor.
Meu coração é tão grande!
E continua a crescer
Mas, quanto mais ele cresce
Só um amor pode ter
Isso eu não posso mudar
Mas no plural vou amar
Esse é meu jeito de ser.
Porém, sigo o meu valor.