Escritor Valter Figueira

11/05/2020

Poeta, escritor e biólogo, graduado pela UNEMAT, professor de ciências no município de Carlinda-MT, onde reside desde o ano de 2001. Nasceu em Cruzeiro do Sul- Pr. Veio para o Mato Grosso em 1989. Sua trajetória literária e marcada por belíssimas obras.

1 - AL: Valter. Como foi o seu primeiro contato com a literatura?

R: Valter Figueira: Desde a época que aprendi a ler tenho curiosidade. Lembro que não tínhamos livros em casa, então quando minha mãe mandava eu comprar pão eu pedia para o dono da venda embrulhar em jornais. Ele dizia que não podia e então dava os jornais para eu levar para casa e ler. Depois passei para os gibis e fotonovelas. Na adolescência lia muito. Fui um adolescente tímido e gostava muito de viajar nas páginas de um livro. Com 11 anos já produzia minhas poesias, algumas eu guardei outras ficaram perdidas nos caderninhos de brochura. No ensino médio passei a ler os clássicos da literatura brasileira.

2 - AL:Fale-nos um pouco do seu trajeto literário e quando você começou a escrever.

R: Valter Figueira: Quando eu estava na quinta série -atual sexto ano- eu comecei a escrever alguns poemas. Eu gostava de ler e isso tem me ajudado muito. Mas foi no ensino médio que aprimorei e decidi que iria ser escritor, só não sabia como. Eu escrevia poemas e redações. Tinha uma matéria em que tínhamos que produzir uma redação por semana. Quando vim para o Mato Grosso, assim que terminei o ensino médio, eu produzia e guardava e também passei a escrever crônicas e colaborar com alguns jornais de Alta Floresta. Participava de concursos pelo Brasil e tinha trabalhos publicados em coletâneas.

4 - AL: Como é o seu processo de escrita? Qual é a sua inspiração?

R: Valter Figueira: Eu gosto de me isolar para escrever. Fico sozinho com o computador ou um caderno e vou escrevendo. Me inspiro em muitas coisas. Escrevo poesia com vários temas. Posso estar numa reunião e produzir uma poesia e chegar em casa arrumar ela ou simplesmente descartar e aproveitar a ideia e fazer outra. As vezes busco inspiração em fatos acontecido. As vezes uso o que escrevo para contar um fato, uma história ou falar de uma paixão.

5 - AL: Você é Coordenador pedagógico, como você vê a literatura hoje na sala de aula no dia-a-dia das crianças.

R: Valter Figueira: Eu percebo que há um esforço dos professores em fazer com que os alunos tenham e aprimore o hábito da leitura. Na escola que trabalho vejo que os alunos frequentam bastante a biblioteca.

6 - Qual o papel da literatura na formação da criança?

R: Valter Figueira: Ler é essencial para o crescimento ético, moral e profissional. Costumo dizer para os alunos a frase do Ziraldo: "Quem lê não precisa estudar."

7 - Como escolher um título para indicar para a sala de aula?

R: Valter Figueira: Primeiro é preciso ler. Nós temos vários autores com uma linguagem facilmente compreendida pelos jovens. Que seja um livro que atiça a curiosidade e que dê prazer em ler.

8 - Qual a melhor forma de ler para os alunos?

R: Valter Figueira: Ler com entusiasmo.

9 - AL: Quantas vezes você revisa seus textos antes de sentir que eles estão prontos? Você mostra seus trabalhos para outras pessoas antes de publicá-los?

R: Valter Figueira: Os textos em prosa até cinco vezes ou mais. As poesias com duas ou três leituras. Antes de publicar um livro, depois de quatro ou cinco revisões ainda procuro alguém para fazer mais uma revisão.

10 - AL: Quais escritores influenciaram o seu processo de criação literária, desde o início?

R: Valter Figueira: Eu li vários e diversas nacionalidades. Cito alguns: Machado de Assis, Alvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Lima Barreto, Dostoiévski, Garcia Lorca, Garcia Marques e outros.

11 - AL: Quais são os seus próximos projetos literários?

R: Valter Figueira: Estou preparando um novo romance " O sorriso da Catleia" e produzindo poemas inspirados nas músicas do Beatles. O romance é para esse ano e o livro de poemas para o ano vindouro.

12 - AL: Quais são seus escritores / livros favoritos?

R: Valter Figueira: Eu leio vários autores vou citar alguns livros: Crime e Castigo de Dostoiévski; Cem anos de Solidão de Garcia Marques; Lira dos vinte anos e a noite na taverna de Alvares de Azevedo; Madame Bovary de Gustave Flaubert; todos os livros de Machado de Assis.

13 - AL: Qual obra sua que você gostaria de destacar?

R: Valter Figueira: Na poesia "Doces Encantos" foi um livro que tive um grande esforço para escrever e lançar. E na prosa "O Retorno" gostei de escrever ele.

14 - AL: O que você acha que mudou no seu processo de escrita ao longo dos anos? O que você diria a si mesmo se pudesse voltar à escrita de seus primeiros textos?

R: Valter Figueira: Eu acredito que me aprimorei, não sou um ótimo escritor, mas me considero um bom leitor. Quanto mais leio mais aprendo.

15 - AL: Qual dica você deixaria para escritores iniciantes, com base em suas próprias experiências?

R: Valter Figueira: Leiam bastante. Mas não é ler por ler. Não estou falando de quantidade. Leiam com atenção. Tentem, observam como o autor construiu o texto. Leiam os clássicos brasileiros.