Escritor Marcelo Afonso Portes

13/01/2020

Nasceu em Curitiba (PR) e concluiu o curso de pedagogia em 2009, pela Universidade Estadual do Noroeste do Paraná, UNOPAR. Está preste a terminar o curso de Arquitetura. Ilustrou o livro O melhor lugar do mundo (2019) de Antonio Cesar, colaborou com a publicação de um artigo no livro Práticas Pedagógicas (2019) com outros professores da Escola Municipal Sadao Watanabe. 

1- AL: Na hora de escrever sua poesia, o que você faz para buscar as palavras certas?

R: Concentro-me no tema central, na problemática ou até mesmo no apreço sentimental.

2 - AL: Além dos poemas, você também desenha. O que é mais importante na produção de um desenho?

R: Dizem que poucas pessoas podem ter o dom de desenhar, mas o importante mesmo é dedicar- se, pois o treinamento leva a perfeição, técnicas de desenho como desenhar com o lado esquerdo do cérebro, aprimorar o uso da luz e sombra ajudam a dar acabamento na ilustração mais também tende a se preocupar com o nível de imaginação do ilustrador.

3 - AL: Tanto os poemas quanto as ilustrações que fazem parte de sua produção, que importância você dá a cada uma?

R: Acredito que a devida relação está ligada na inserção do individuo na linguagem, pois a literatura infantil necessita de imagens, a familiaridade da criança com a escrita neste momento começa a se construir com esquemas cognitivos se apegando nos sentidos.

4 - AL: Você gosta mais de escrever ou ilustrar? Por quê?

R: A mais de 22 anos trabalhando com crianças, me identifico muito com a literatura infantil e a mesma no meu ponto de vista é imprescindível o uso de ilustrações para dinamizar a criatividade e criticidade do individuo.

5 - AL: Que sentimentos suas criações lhe surgem enquanto as cria?

R: algo que gosto muito de fazer é de levar minhas criações para observar a reação das crianças, pois sabem muito de avaliação e são extremamente honestos com a qualidade e entendimento do propósito, e quando vejo que alcancei a satisfação dos pequeninos, a satisfação é mútua.

6 - AL: Como você pensa a sua arte?

R: Como um fragmento de muitas percepções que irá ajudar alguém de alguma forma, dando direção, orientação e principalmente fomentar a criatividade infantil que está sendo sepultado com o mau uso das tecnologias informativas.

7 - AL: Quais projetos você deixou para trás e quais destes ainda pretende reviver?

R: Este é um defeito que tenho, penso na ideia, inicio a construção mais não termino e durante um longo tempo me disperso com outras futilidades momentâneas, acredito que parte desta falência produtiva estava na dificuldade de publicar minhas produções, onde o primordial se baseava principalmente no quantificar deixando a qualidade de lado, ou seja, tiragem ou desistência.

8 - AL: O que você está produzindo atualmente?

R: Agora com o grandioso trabalho da Editora que precede as produções de vários autores possibilitando o materialismo da arte produzida posso concretizar minhas literaturas infantis que ficaram guardadas.

9 - AL: O que tem em mente para o futuro, quais projetos tanto de poesia quanto de ilustrações gostaria de dar vida e o que estas obras tem de relevante para as pessoas?

R: Bem, gosto muito de pegar uma problemática e traduzi-la em forma de conscientização infantil e infantojuvenil.

10 - AL:Fale-nos um pouco do seu trajeto literário.

R: Eu nunca fui de leituras, mais gostava de ler algo diferente que me despertasse o lado curioso sobre as coisas do mundo, já na escola, faculdade era necessário ler as temáticas aplicadas, aprendi muito mais ainda percebo uma fragilidade da literatura de se tornar um consumo necessário, no passado uma classe social detinha o habito da leitura, ou seja, poucas pessoas possuíam a linguagem culta,Mais hoje esta cada vez pior a criatividade em falta e a necessidade de achar tudo pronto das novas gerações necessitam de atenção para reverter esta situação.

11 - AL: Quais são os seus próximos projetos literários?

R: Tenho alguns, infantis como Florinda a abelhinha; Elias come tudo; Gramaticolândia; Maria Maria; Machadinho e O lápis mágico.

12 - AL: Quais são seus escritores / livros favoritos?

R: Não tenho muitos, de literatura gosto do tempero imaginário de Monteiro lobato, Eva Furnari à J.R.R.Tolkien.

13 - AL: Qual dica você deixaria para escritores ou ilustradores iniciantes, com base em suas próprias experiências?

R: Não busque uma só vertente pesquise mais, experimente mais no mundo há varias dimensões e principalmente seja original, em nossa realidade precisamos de pessoas confiantes e confiáveis não meros copistas.