Amanda Helena Gimeno de Souza

23/09/2020

Amanda Helena Gimeno de Souza , bauruense raiz, atualmente desempregada pândemica, graduou -se em Direito mas a cabeça entorta nas estrelas, sobrevive com altas doses de intensidade nas veias.
Mãe de Talles , Thaís e Thomas
Libertária, quixotesca, gateira , avulsa de partidos e 'lacrações' .
Ama música, escrita e cerveja, detesta 'vencedores' e suco de groselha.
Incorrigível "pessimista esperançosa".
Participou da Antologia Cães Bélicos pelo grupo Expressão Poética de Bauru(2020) e algumas publicações em revistas poéticas , 'palpiteira' musical na Revista Feminista Helenas de Bauru.

Guarda -me

(Depois de te perder
Te encontro, com certeza
Talvez num tempo da delicadeza
Chico Buarque)

Guarda-me em teu peito, entre teus botões, no calor de sua blusa, guarda a lembrança de quem para ti eu fui antes dos invernos e das inúteis escusas

Guarda-me em teus olhos, com o brilho do primeiro olhar, daquele momento congelado em minha memória

Guarda-me em tua escrita, das poesias, dos jornais, das linhas em que eu me via, das brisas de outrora

Guarda-me em tua alma companheiro, guarda-me como parte bela, guarda-me até onde a vida é eterna, mas guarda-me, ainda que eu me torne uma folha amarela.


Versão espanhol

Mantenme en tu pecho, entre tus botones, en el calor de tu blusa, guarda el recuerdo de quién para ti fui antes de los inviernos y las excusas inútiles

Mantenme en tus ojos, con el brillo de la primera mirada, de ese momento congelado en mi memoria

Mantenme en tu escritura, en la poesía, en los periódicos, en las líneas en las que me vi, la brisa de antaño

Mantenme en tu alma gemela, mantenme como una parte hermosa, mantenme hasta el punto en que la vida es eterna, pero mantenme, incluso si me convierto en una hoja amarilla.